Rodoviários param em Salvador

Rodoviários param em Salvador

Depois de os rodoviários decretarem greve por tempo indeterminado, Salvador amanheceu sem ônibus na manhã de hoje (23).O presidente da entidade de classe, o vereador Hélio Ferreira (PCdoB), informou que 100% da frota está parada.

"Os empresários não fizeram nenhuma proposta e, para ter um acordo, é preciso que tenha uma proposta. Hoje, estamos aqui nas garagens e nem os trabalhadores compareceram", afirmou o sindicalista, ao ressaltar que não há qualquer assembleia ou reunião com empresários prevista.

A paralisação dos rodoviários também afeta os ônibus metropolitanos. Segundo Hélio Ferreira, o sindicato ainda não foi notificado da decisão da Justiça do Trabalho, que obriga que 50% da frota rode durante o período de protesto nos horários de pico, e 30% nos demais horários.

Ontem (22), o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), informou que quatro cooperativas da Região Metropolitana vão ofertar 516 microônibus para minimizar a greve. O total de coletivos alternativos será de 800, quando somados aos do Stec [sistema complementar]. Vans do transporte escolar também vão apoiar a operação emergencial (confira aqui as linhas emergenciais).

Os ônibus de Salvador, na Bahia, vão começar apenas às 8h nesta sexta-feira, 28 de maio de 2021.

O Sindicato dos Rodoviários da Bahia indicou que vai realizar no fim da madrugada uma assembleia com os trabalhadores dos ônibus urbanos. A decisão foi divulgada após uma reunião de conciliação no TRT-5 (Tribunal Regional do Trabalho da 5° Região) com empresários do setor de transportes.

Essa assembleia com os funcionários deverá paralisar momentaneamente a operação do serviço no início do dia.

Na ocasião, será debatida a proposta empresarial efetuada no TRT quanto ao reajuste dos salários em um valor de 3%, abaixo dos 8% pedidos pelo sindicato.

Caso não aceitarem, a possibilidade de greve não está descartada.

Além de questões salariais, os rodoviários pedem a inclusão em grupo prioritário para receber a vacina contra o coronavírus.

No último sábado, 22, a Justiça já havia proibido paralisações no setor, definindo um percentual de veículos e trabalhadores prestando o serviço a população.